Dra. Maryane Veras

Dra. Maryane Veras

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

Hortifruti Fernandes

Hortifruti Fernandes
Travessa 15 de Novembro - Centro (ao lado da extinta Escola Amélia Almeida / Semáforo)

Star Drinks

Star Drinks

Posto Ipiranga / Chapadinha

Posto Ipiranga / Chapadinha

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Dia do Bancário: Sexta-Feira (28/Ago) é Feriado Bancário no Maranhão


Lei Estadual nº 10.100 de 2014, instituiu o dia 28 de Agosto "Feriado Estadual do Bancário".

O SEEB-MA informa a todos os interessados que o dia 28 de Agosto (nesta Sexta-feira) é feriado bancário em todo o Maranhão. 

A medida é prevista pela Lei Estadual nº 10.100 de 2014, que instituiu o dia 28 de Agosto “Feriado Estadual do Bancário”. 

Diante disso, o Sindicato ressalta que não haverá expediente nas agências e postos bancários na próxima sexta-feira (28). 

O SEEB-MA já enviou, inclusive, ofício comunicando sobre o feriado aos bancos e à Febraban.

Lei é de Autoria de Birá do Pindaré

Os bancários maranhenses obtiveram mais essa importante conquista, no dia 16 de junho de 2014, quando o Governo do Estado sancionou o projeto de lei nº 210/2013, que instituiu o Feriado do Bancário.

A nova lei, de autoria do deputado estadual e ex-presidente do SEEB-MA, Bira do Pindaré (atualmente Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), transforma o dia 28 de agosto, data alusiva ao Dia do Bancário, em feriado exclusivo para a categoria bancária em todo o Maranhão.

História do Dia do Bancário

O dia 28 de agosto foi escolhido por ser uma data marcante para os bancários de todo o país, já que foi no dia 28 de agosto de 1951 que os bancários de São Paulo decretaram, em assembleia geral, uma greve de 69 dias, enfrentando a repressão do antigo DOPS e a pressão de outros sindicatos da categoria por não concordarem com uma contraproposta dos patrões, considerada como gorjeta, uma vez que os trabalhadores bancários reivindicavam 40% de reajuste, salário mínimo profissional e adicional por tempo de serviço, enquanto os banqueiros excluíram os dois últimos e ofereceram apenas o reajuste com base nos índices oficiais do custo de vida. Depois de muita luta, no dia 5 de novembro de 1951, a Justiça concedeu um reajuste de 31%, colocando um fim à paralisação.



Publicidade



Postar um comentário

Arquivo do blog