Dra. Maryane Veras

Dra. Maryane Veras

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

Hortifruti Fernandes

Hortifruti Fernandes
Travessa 15 de Novembro - Centro (ao lado da extinta Escola Amélia Almeida / Semáforo)

Star Drinks

Star Drinks

Posto Ipiranga / Chapadinha

Posto Ipiranga / Chapadinha

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Chapadinha Entre os Municípios Maranhenses em Situação de Emergência em Decorrência da Estiagem


Título Original - Governo amplia monitoramento da seca e estiagem no Maranhão

Com o maior índice estiagem registrado nos últimos anos, o Maranhão obteve percentual de quase 60% de seca extrema. Para monitorar a incidência do fenômeno, o Governo do Maranhão, por meio do Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos, lançou, nesta terça-feira (04), o estudo “Análise da Incidência da Seca e Estiagem no Estado do Maranhão”.

Realizado pelos pesquisadores Ribamar Carvalho e Yata Anderson Masullo, a pesquisa analisa os indicadores socioambientais que influenciam a incidência de seca e estiagem no território maranhense, a partir de uma abordagem sistêmica e multidisciplinar, sendo uma ampliação de estudos sobre focos de queimadas já realizadas pelo Imesc.

Segundo o geógrafo do órgão, Ribamar Carvalho, o Maranhão não se diferencia da realidade da maior parte da Região Nordeste, que possui como uma das suas principais características ambientais a problemática da seca. Mesmo com uma considerável rede hídrica, não é suficiente para suprir a necessidade do estado, devido aos tipos climáticos com um período chuvoso de chuvas mal distribuídas e outro período seco, fato que agrava a ocorrência de secas e estiagens.

O Maranhão possui características ambientais bem diferenciadas ao longo do seu território, em relação a fatores climáticos, a mesorregião Leste é a que mais próxima do clima semiárido nordestino e assim a mais propícia a processos de estiagem.

Segundo o estudo, em agosto deste ano, poucas chuvas contribuíram significativamente para ampliar a área de seca extrema, avançando para as regiões centrais e sul do estado. Além da agricultura de grande porte como o agronegócio, os pequenos agricultores também sofrem com perdas de suas plantações e animais.

No último mês tivemos o maior índice de estiagem no Maranhão com uma porcentagem de 57% com seca extrema, colocando em risco a população, produção agrícola e rebanhos”, pontuou Ribamar Carvalho.

Incêndio próximo a Barragem Itamacaoca, em Chapadinha (2015)

Diante dessa realidade, os oitos municípios entraram em situação de emergência decorrente da estiagem, desses, três sofreram com maior incidência dessa problemática no ano passado: Chapadinha, Tufilândia e Formosa da Serra Negra. Cinco municípios já figuraram nessa lista de estiagens em anos anteriores: Balsas, Paraibano, Pastos Bons, São João dos Patos e Sítio Novo.

Incêndio próximo a Barragem Itamacaoca, em Chapadinha (2015)

Para encontrar a pesquisa completa, basta acessar o link: http://imesc.ma.gov.br/portal/Post/view/1/111

Outras publicações sobre o tema

O Imesc realiza também o monitoramento de incidências dos focos de queimadas no Maranhão, com a publicação trimestral do Relatório de Queimadas Maranhenses abrangendo todo o território maranhense.

O órgão disponibiliza ainda, estudos trimestrais sobre incidências de focos de queimadas nas 21 Terras Indígenas do Estado. Todos esses trabalhos estão disponíveis no site do Imesc acessando o endereço: www.imesc.ma.gov.br



Publicidade



Postar um comentário

Arquivo do blog