Dra. Maryane Veras

Dra. Maryane Veras

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

Chapadinha Gás - Liquigás

Chapadinha Gás - Liquigás

Armazem Paraíba

Armazem Paraíba

sábado, 7 de janeiro de 2012

SÃO BERNARDO: Briga por posse de terra: casal de idoso sofre agressões e constantes ameaças

Francisco das Chagas - Filho do casal que sofre ameaças


Uma briga por posse de terra tem tirado o sossego de um casal de idoso e seus familiares no povoado Santo Antonio, município de São Bernardo (distante 125 km de Chapadinha).


Raimundo Silva Almeida, 72 anos e Maria de Nazaré da Silva, de 63, já foram vítimas de várias agressões e ameaças para que deixem as terras onde residem há mais de setenta anos.


As ameaças e agressões deram início no ano de 2004 quando o casal recebeu uma intimação para comparecer ao fórum do município de São Bernardo, onde a professora Maria Brígida Brito de Miranda relatou ser a proprietária das terras na qual o casal reside e alegou ainda que eles estariam morando no local há apenas dois anos e que estavam se recusando a sair.


Raimundo Silva Almeida e Maria de Nazaré da Silva desmentiram a professora e se recusaram a assinar um documento no qual seriam obrigados a deixar as terras. Foi exatamente a parte desta recusa que se deu início a série de ameaças e agressões deixando o casal de idoso, filhos e familiares apreensivos e acuados.


Três processos já foram abertos até o momento pelo casal de idoso. O primeiro deles foi o de reintegração de posse das terras, no qual o juiz deu ganho de causa de apenas 50 metros quadrados, o que equivale somente a casa, sendo que a área total equivale a 16 hectares.


O segundo processo foi o de agressão física sofrido por Maria de Nazaré da Silva, 63 anos, que teria sido agredida por João de Jesus Brito de Miranda, filho da professora Maria Brígida Pereira de Miranda.


A vítima teria recebido socos no rosto e sido arrastada pelos cabelos por mais de dez metros, além de sofrer xingamentos. Após agressão Maria de Nazaré foi à delegacia para registrar ocorrência e o delegado teria se recusado a registrar, sendo que só faria tal registro se a vítima não comentasse nada com ninguém para que não acontecessem problemas maiores e assim foi feito. A partir de então foi aberto um processo que teve apenas uma audiência e depois arquivado.


O terceiro processo foi o de usucapião no qual até hoje nunca ocorreu nenhuma audiência.


Com todos esses processos já dado início e nunca concluídos, o casal de idoso continua sofrendo ameaças para que deixem as terras onde construíram casa de alvenaria para moradia, cultivam plantações e criam animais, tornando-a produtiva.


O medo que a gente tem é que aconteça alguma coisa grave com nossos pais, porque até agora ninguém fez nada e eles estão sob constantes ameaças. Meus pais vivem sozinhos. Lá é a casa deles, a vida deles. A justiça tem que tomar alguma providência para que deixem meus pais morarem em paz”, clama o filho do casal Francisco das Chagas da Silva Almeida.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog