Dra. Maryane Veras

Dra. Maryane Veras

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

INTERNET DE QUALIDADE É COM A...

Chapadinha Gás - Liquigás

Chapadinha Gás - Liquigás

Armazem Paraíba

Armazem Paraíba

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Tribunal do Júri Decide pela Absolvição de Três Réus

Almir Moreira Discursando em Frente ao Corpo de Jurados
Do blog do Alexandre Pinheiro

O tribunal do júri popular realizado nesta quarta-feira (3), no auditório do Fórum da Comarca de Chapadinha, acabou decidindo pela absolvição dos três réus acusados de participação em um homicídio ocorrido em 2001, na localidade Baturité.
Os acusados Roberto Leite, Manoel Aninha e Antonio Doraci eram suspeitos de participação no assassinato de José de Jesus Santana, o Zezinho, morador da localidade Baturité. De acordo com a promotoria o crime teria acontecido por disputa de terras. Roberto Leite figurava como mandante, Manoel Aninha e Antonio Doraci eram acusados como executores.
A defesa dos réus, que contou com dois defensores públicos, com o advogado Elcio Aguiar e foi liderada por Almir Moreira, sustentou que única prova constante dos autos contra os acusados era uma confissão obtida mediante tortura, ainda na fase do inquérito policial. Com o argumento de que confissão colhida com indícios de tortura não poderia ser admitida em julgamento justo, a defesa pediu absolvição dos réus.
Ao término da sessão que teve início às 8 horas da manhã, a sentença foi lida pelo Juiz Cristiano Simas, quando já passava das 21 horas, com a conclusão do júri pela absolvição dos réus.
Ainda durante a leitura da decisão final, o Juiz Cristiano Simas ressaltou que o ato de julgar é uma das tarefas mais difíceis que se pode atribuir a um ser humano e reconheceu o trabalho de todos envolvidos na sessão do tribunal do júri.
 
Moradores da localidade Baturité – que acompanhavam o julgamento – receberam o resultado com tristeza e familiares da vítima não contiveram as lágrimas. Afinal, com a absolvição dos réus, o homicídio não deixou de existir e a morte de um ser humano prossegue impune.
 
 
Populares Permaneceram Até o Final do Julgamento

Juiz Cristiano Simas no Momento em que Proferia a Sentença
 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog