Chapadinha Gás

Chapadinha Gás

Gráfica Editora Escolar

Gráfica Editora Escolar

terça-feira, 26 de junho de 2012

Radicalização da Cidadania Já

Manifestação contra a corrupção em Icatu, MA, Brasil


Por Welliton Resende - Blog do Controle Social
Muda-se o tempo, mudam-se as pessoas; mas a luta continua como diria o pessoal do PSTU. O decurso do tempo acarreta, impreterivelmente, em reformulações estruturais em nossa sociedade e na percepção que nós temos dela; o materialismo histórico é o grande detentor das rédeas da mutação social. Quem não se lembra do período de chumbo da ditadura militar, onde a nossa luta coletiva era pela liberdade de podermos escolher os nossos governantes.

Neste período, Caetano Veloso e Geraldo Vandré imortalizaram-se como ícones pop da resistência musical antagonizando-se com o movimento alienado apelidado de jovem guarda, que guardava mesmo era a influência do “american way life” (estilo de vida americano) em nossos costumes.

Enfim, a luta nos dias atuais não é mais por liberdade de expressão e, sim por participação popular nas conquistas conseguidas ao longo desse período tenebroso da História. A luta atual é para que o bolo que os militares tanto fermentaram comece finalmente a ser dividido entre todos.

Os anos de repressão amorteceram o nosso sentimento de participação coletiva nas decisões do estado, no entanto um novo horizonte se avizinha; o processo de participação popular é irreversível e a sociedade está retomando a idéia de Controle Social, também a guisa de iniciativas de Órgãos de Controle, como a Controladoria-Geral da União/CGU, que tem um programa destinado à capacitação da sociedade com vistas ao exercício do controle sobre os gastos públicos: O Programa Olho Vivo no Dinheiro Público (www.cgu.gov.br).

Os heróis de hoje são, portanto, as pessoas que buscam incentivar essa participação popular. Os exemplos são numerosos cabendo menção, por exemplo, o Centro de Direitos Humanos de Tutóia (MA) capitaneado pelo padre Francisco das Chagas, a Congregação do Irmãos La Salle de Presidente Médice (MA), o juiz Jorge Moreno, Dom Belisário, padre Vitor Asselin e tantos outros que se dedicam à causa do esclarecimento, da formação e da mobilização de pessoas da sociedade para que nós possamos ter cidadãos conscientes.

Trago uma reflexão presente em uma publicação do CDH de Tutóia (MA), que é a seguinte:
“Nenhuma pessoa, nenhuma família, nenhum grupo, nenhuma sociedade, podem viver por muito tempo sem ter esperança e projeto, que fazem parte de nossa condição humana, necessariamente aberta ao futuro. Se a elite não pode oferecer mais nada disso, sejamos nós os semeadores. A colheita virá.”


Que haja uma verdadeira radicalização da cidadania em nosso querido e sofrido Maranhão.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog